Viver com Dengue

Mil milhões de pessoas em todo o mundo - ou uma em cada sete - sofrem de uma doença tropical, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A Bayer está a apoiar a comunidade internacional na luta contra estas doenças, como parte das suas atividades de responsabilidade social.

Ubatuba // Brasil. "Todos os meus colegas de trabalho tiveram dengue, e eu já tive duas vezes", diz Rodolfo Siqueira Rodrigues, um residente de Ubatuba, uma cidade na costa atlântica do Brasil. Agora, o homem de 23 anos tem medo de desenvolver febre hemorrágica caso seja infetado novamente. "Todos estamos com medo da febre, porque pode agravar-se. Se estas condições piorarem, pode morrer de hemorragia interna". Rodolfo não foi ao médico, o Dr. Juan Matías Jaco, porque sabia que era inútil visto que não existe nenhum tratamento para esta doença. "Não podemos fazer nada, apenas tratar os sintomas com uma abundância de xaropes, medicamentos para baixar a febre e analgésicos," diz o Dr. Jaco.

Cerca de 1.200 pessoas em Ubatuba, uma cidade com uma população de 80.000, contraiu dengue em 2014. Mais de 3.000 casos foram relatados apenas nos primeiros nove meses de 2015, e no estado total de São Paulo, o total foi de 900.000. "Os médicos em todas as especialidades têm sempre o dengue na mente ao fazer qualquer diagnóstico", diz Jaco.


  • Rodolfo Siqueira Rodrigues de Ubatuba, Brazil, adora desportos aquáticos. O técnico de armazém já teve dengue duas vezes.
  • O seu médico, Dr. Juan Matías Jaco (em cima), apenas pode tratar dos sintomas.
Rodolfo Siqueira Rodrigues de Ubatuba, Brazil, adora desportos aquáticos. O técnico de armazém já teve dengue duas vezes.

Todos os anos, são notificadas cem milhões de infecções por dengue nas regiões tropicais e subtropicais das Américas, África e Ásia.
Assim como Rodolfo, muitos doentes tratam a si próprios e, portanto, não aparecem nas estatísticas. Segundo a OMS, o número real de casos está mais perto dos 390 milhões por ano. "Metade da população mundial está ameaçada por esta doença. O Dengue foi considerado a doença do futuro pela OMS ", diz Frederic Baur, Head do Vector Control da Bayer. "O portador da doença, o mosquito tigre ou Aedes, vive e reproduz-se nos inúmeros reservatórios de água, grandes e pequenos, nas cidades.

A crescente urbanização e, possivelmente, as alterações climáticas estão a criar condições de habitat cada vez mais favoráveis para o mosquito". O dengue é atualmente nativo em mais de 100 países e continua a espalhar-se. A doença pode ser controlada de forma eficaz através da luta contra o portador.

A Bayer pode ajudar a proteger as pessoas em risco com larvicidas para controlar as larvas do mosquito em reservatórios de água e sprays inseticidas para impregnar as superfícies em edifícios residenciais e em estradas. Os ingredientes ativos da Bayer para sprays de mosquito também fornecem proteção individual contra picadas. Para evitar ou acabar com as resistências aos ingredientes ativos existentes, a Bayer também está envolvida em vários projectos de investigação globais sobre novos mecanismos de ação.

A empresa aumentou consideravelmente o investimento global em investigação sobre o dengue nos últimos anos. Um novo spray para tratamento de fachadas de edifícios e parques municipais está agora em fases avançadas de desenvolvimento. É esperado que esteja disponível em 2018 e promete uma duração prolongada de ação graças à sua resistência à radiação UV e à chuva.




Apesar do dengue afetar todos os grupos populacionais e receber uma maior atenção, outras doenças tropicais afligem os mais pobres dos pobres no mundo. Estas doenças são mencionadas como "doenças tropicais negligenciadas." Em 2012, instituições como a OMS, o Banco Mundial, as autoridades governamentais internacionais e empresas como a Bayer reuniram-se na Declaração de Londres sobre Doenças Tropicais Negligenciadas para travar ou, se possível, eliminar dez destas doenças até 2020, incluindo a doença de Chagas, que é difundida na América Latina, e a doença do sono Africano.

A Bayer tem vindo a fornecer medicamentos gratuitos à OMS para o tratamento destas doenças há mais de dez anos, e as substâncias ativas estão na lista da OMS de Medicamentos Essenciais. "Temos garantido à OMS disponibilidade contínua das substâncias ativas e uma oferta dos medicamentos enquanto a doença do sono Africano e a doença de Chagas existirem", explica Kemal Malik, membro do Conselho de Administração da Bayer, responsável pela Inovação.


Kemal Malik

Podemos fornecer medicamentos para tratar doentes e oferecer soluções para controlar os portadores.

Uma doença tropical particularmente insidiosa, conhecida como cegueira do rio, é causada por nematóides que produzem milhões de vermes no interior do corpo humano. Os medicamentos actualmente disponíveis apenas são capazes de controlar os parasitas na fase inicial do seu desenvolvimento.

O medicamento deve ser tomado durante 15 anos, o período de tempo que os nematóides adultos - que podem crescer até 70 centímetros de comprimento - vivem no corpo humano. Juntamente com os medicamentos sem fins lucrativos para Doenças Negligenciadas (DNDi), a Bayer está a desenvolver um novo medicamento que será capaz de eliminar os vermes adultos também.


"As nossas atividades de responsabilidade social incluem o apoio à luta contra as doenças tropicais negligenciadas. Como uma empresa das Ciências da Vida estamos numa posição única para fazê-lo, fornecendo ambos os medicamentos para tratar os doentes, assim como oferecer soluções inovadoras para o controlo de portadores ", diz Malik.