Desafiar a Meteorologia

A Bayer está à procura de novas soluções para os grandes desafios que a agricultura enfrenta no século XXI: calor, secas e inundações, e crescente procura das populações globais por alimentos.


Paixão pelo trigo

Ninh Binh // VIETNAME. "Os agricultores como nós têm apenas um chefe, é a natureza. O nosso trabalho é comandado pelo sol, a chuva, o vento e a mudança de estações. Mas nos últimos anos, a natureza tornou-se um chefe temperamental. Simplesmente, não podemos depender das estações. Tornou-se confuso ", diz Do Thi Tuyen, um agricultor de arroz na província vietnamita do norte de Ninh Binh.
Em primeiro lugar, uma seca extrema no ano passado retardou a germinação das sementes de arroz. Depois inundações após chuvas fortes ameaçaram destruir as delicadas plantas do arroz.

Apesar disso, Do Thi Tuyen estava otimista em relação à sua colheita mais recente. "O meu conselheiro da Bayer, Quyết Nguyen Van, mostrou-me como posso utilizar tecnologias inovadoras e técnicas crescentes para desafiar a natureza."

Este ano, o agricultor plantou Arize®, o arroz híbrido da Bayer, que oferece uma maior resistência contra condições climáticas extremas. E, como nos anos anteriores, tem protegido as suas plantas de arroz contra fatores de stress, tais como pragas e doenças, tomando medidas proativas para melhorar a saúde das suas culturas. O resultado: "Fomos capazes de melhorar a qualidade do nosso arroz e até mesmo aumentar a produtividade".

Muita água, pouca água, ou ambos são um grande desafio para os produtores de arroz do Vietname do Norte. Isto fez com que Thi Tuyen ficasse feliz durante muitos anos, visto não ter perdido toda a colheita.

  • O agricultor de arroz Do Thi Tuyen alimenta os seus patos no Norte do Vietname. Ela está feliz de não ter perdido as suas colheitas nos últimos anos.
  • As propriedades de Phan Van Giang farms são a sul do Delta do Mekong, onde a salinização do solo é um problema. Ele utiliza uma variedade de arroz híbrido da Bayer, que faz com que produza rendimentos mais altos mesmo em anos difíceis.
O agricultor de arroz Do Thi Tuyen alimenta os seus patos no Norte do Vietname. Ela está feliz de não ter perdido as suas colheitas nos últimos anos.

Delta do rio Mekong // VIETNAME. No sul do Vietname, no delta do Mekong, a situação é mais grave para muitos agricultores.

Quando a estação chuvosa começa tarde e traz menos chuva do que o habitual para que o rio Mekong leve menos água, mar entra para o interior do país e saliniza o solo. Isto pode ter consequências devastadoras. "Muitos produtores de arroz na nossa região tiveram que parar de cultivar os campos no ano passado porque a água fortemente salinizada destruiu o arroz logo após ter sido plantado", diz Phan Van Giang, que tem cultivado uma fazenda de arroz de quatro hectares no Delta do Mekong à 20 anos. Ele aumentou a Arize® B-TE1, da Bayer, desde que ouviu falar sobre esta nova variedade, há alguns anos durante um seminário. Foi o primeiro agricultor na sua região a testá-lo.

"Comparado com o arroz tradicional, o arroz híbrido Arize® tem maior tolerância à salinização, secas e inundações, é menos suscetível a doenças, e produz rendimentos muito mais elevados, mesmo em anos difíceis, como no ano passado." O arroz é um alimento básico importante para mais de 3,5 mil milhões de pessoas, particularmente na Ásia. Os principais produtores são cerca de 200 milhões de pequenos agricultores como Do Thi Tuyen e Phan Van Giang. Eles estão expostos a situações meteorológicas extremas e precisam de tecnologias inovadoras e conhecimentos agrícolas de ponta. A ajuda está disponível através do programa "Much More Rice" da Bayer.

"Este programa é um pacote abrangente de soluções que ajuda os pequenos agricultores em muitos países da Ásia a otimizar a aplicação de tecnologias inovadoras, tais como as sementes Arize® da Bayer e soluções de protecção das culturas", explica Mahesh Girdhar, Global Crop Manager Rice da Bayer. "Os nossos especialistas também mostram aos agricultores como é que podem aumentar a qualidade e quantidade das suas colheitas de arroz, mesmo em condições meteorológicas difíceis."

Por exemplo, o tratamento de sementes Gaucho® protege as plantas de arroz contra o stress durante a fase inicial, quando estão particularmente vulneráveis. O tratamento fortalece o crescimento da raiz e a parte aérea da planta de arroz e ajuda a resistir às fases de seca e calor. O fungicida Nativo® promove a fotossíntese e impacta positivamente a produtividade da planta em casos de stress por calor.


Os nossos especialistas também mostram aos agricultores como é que podem aumentar a qualidade e quantidade das suas colheitas de arroz, mesmo em condições meteorológicas difíceis.

Como é provável que as condições meteorológicas extremas continuem a ser um grande problema no futuro, a Bayer desenvolveu uma semente que é capaz de estar imersa e sobreviver durante 14 dias. A introdução no mercado está prevista para 2016. Em 2017, a Bayer pretende lançar uma nova variedade da semente Arize®, que vai sobreviver ao dobro do nível de salinidade em comparação com variedades anteriores. Para os produtores de arroz como Do Thi Tuyen e Phan Van Giang, é uma boa notícia.



Kansas // Estados Unidos. Do outro lado do Pacífico, a cerca de 14.000 quilómetros a leste do Vietname, no estado americano do Kansas, o produtor de trigo Craig Reed é tão afectado pelas condições meteorológicas, como os seus colegas na Ásia.

"A seca é a principal razão para as falhas das colheitas do trigo", diz. "Precisamos de cerca de 50 centímetros de precipitação por ano. Mas, em alguns anos, só tivemos 25 centímetros. Isso significa que nós, agricultores, arriscamos tudo para a colheita numa base anual. Mas não importa quantas vezes a mãe natureza tenta desarmar-nos, levantamo-nos sempre de novo e começamos do princípio no ano seguinte".

  • Na sua propriedade em Monument, Kansas, Estados Unidos, Craig Reed luta contra as consequências da seca persistente em particular.
  • Ele espera novas variedades de trigo e um espectro mais amplo de herbicidas inovadores.
Na sua propriedade em Monument, Kansas, Estados Unidos, Craig Reed luta contra as consequências da seca persistente em particular.

Como resultado das condições de seca, Reed e muitos dos seus colegas decidiram deixar de cultivar, a fim de reter o máximo de humidade possível no solo. Mas isto traz uma grande desvantagem, como Reed explica. "As ervas daninhas espalham-se mais rápido a cada ano."

Reed está particularmente preocupado com o aumento da resistência a herbicidas, especialmente com a "kochia"(burningbush), uma espécie de plantas daninhas. Esta erva daninha compete com as plantas de trigo pela luz solar, pelos nutrientes e humidade, e pode ter um impacto dramático sobre as colheitas. "O que precisamos urgentemente é de um espectro maior de novos herbicidas para o futuro, para evitar resistências de desenvolvimento, de modo a que os herbicidas existentes permaneçam eficazes", diz Reed.

Enquanto o clima e os problemas de resistência têm causado impacto nos rendimentos dos produtores de trigo em todo o mundo, desde a década de 1990, o que é realmente urgente são colheitas maiores. "A procura por alimentos básicos vai aumentar em 60 por cento até 2050", diz Steve Patterson, Global Crop Manager Cereals da Bayer. "Para o trigo, o principal motor é a crescente população mundial, seguido pelas dietas instáveis das novas classes médias dos países emergentes."

Aquecimento Global: Uma ameaça para o trigo

A produção, no entanto, é incapaz de manter-se. Um estudo recente revelou que a colheita de trigo pode diminuir em seis por cento juntamente com cada grau de aquecimento do clima. "Para acabar com esta falha e salvaguardar o fornecimento de trigo, precisamos de um progresso técnológico na investigação do trigo", diz Patterson. Não se pode esperar por milagres. "Nunca vamos ser capazes de fazer crescer trigo no Sahara e não podemos trazer plantas murchas de volta à vida. Mas podemos ajudar a compensar perdas de colheitas devido à seca. Podemos ajudar as plantas a terem um melhor desempenho em fases chave da seca e de stress térmico".

Os cientistas estão à procura de inovações químicas para servirem como um escudo protetor para as plantas em situações de emergência. Entretanto, os investigadores também estão a trabalhar no desenvolvimento de espécies do trigo com maior vitalidade e uma tolerância melhorada em relação ao calor. Para se adaptar as espécies do trigo às respectivas condições climáticas, o trabalho de melhoria da Bayer é realizado em todo o mundo com espécies adaptadas localmente, sendo criadas para uma maior tolerância ambiental e robustez nas estações de reprodução no Canadá, Bélgica, Alemanha, França, Ucrânia, Austrália e Estados Unidos. É esperado que esta inovação chegue depois de 2023.

Para o produtor de trigo Reed, esta é uma perspectiva que oferece-lhe esperança. "Para alcançar este salto quântico na nutrição global, precisamos de empresas e organizações que possam ver a situação geral ou nunca se vai resolver o problema."